Dr. Cristiomário, colocando a casa em ordem!

Neste mês de janeiro, em entrevista exclusiva ao planaltina.net.br, Dr. Cristiomário Medeiros, delegado titular de Planaltina-GO, completando seu primeiro ano conosco, fez um balanço positivo, esclareceu dúvidas e mostrou simpatia pela cidade onde atua. Leia na íntegra:

Hoje faço uma avaliação muito positiva de 2014 para a Polícia Civil na cidade. Primeiro conseguimos reduzir a criminalidade em relação a 2013. De 2013 para 2014 nós fizemos muitos avanços, tanto do lado da Polícia Civil como do lado da Polícia Militar com quem a gente tem uma parceria muito forte. Houve uma redução nos homicídios, latrocínios e roubos. Conseguimos que 2014 fosse um ano muito melhor. A expectativa para 2015 é melhor ainda. Acreditamos que vamos conseguir.

Nós estamos conseguindo avançar em 2015 ainda mais do que em relação a 2014. Sabemos que a questão da criminalidade não é exclusivamente da cidade. Muitas vezes a gente atua, trabalha, mas não conseguimos evitar o crime, pois ele é herança de outros lugares. Ano passado por exemplo, nós tivemos vários homicídios praticados por gente que era de Planaltina-DF, que eram de outras cidades. Tivemos um latrocínio de um policial militar aqui na cidade em que as pessoas que o mataram vieram da região do Novo Gama, de Valparaíso. São crimes que não temos como controlar. Tivemos um roubo no cartório da cidade, os autores eram de Planaltina-DF. Por isso acredito que uma ação forte das Polícias Civil e Militar certamente afastará estes criminosos de outras cidades.

Com relação aos criminosos da cidade, conseguimos, já nesse ano de 2014, identificar boa parte das quadrilhas; saber onde está cada um, trabalhar a questão do tráfico. Acreditamos que em 2015 possamos dar mais resultados para a cidade do que em 2014.

No final do ano passado iniciamos também uma operação que chama-se 4:20. É uma operação permanente. 4:20, pra quem não sabe é a hora instituída pelos próprios usuários de droga como sendo a hora do uso da droga, a hora da maconha. Então a gente quer mostrar que a Operação 4:20 serve pra eles fumarem e serve também para a polícia atuar. Quero dizer que se a gente tem hoje um usuário de droga em determinado ponto da cidade, o morador sabe. A relação com a comunidade se ampliou. O próprio morador indica pra gente o local e aí diz: olha, perto da minha casa numa quadra tal, numa praça tal, eles se juntam pra fazer uso de droga. A Polícia Militar, a Polícia Civil vai no local, aborda as pessoas. Caso tenha alguma droga vai pra delegacia e autua. Se tiver droga sendo usada na hora, pode ser também autuado por apologia ao crime. Porque eu entendo que o crime não é só usar droga e quando ele faz uso de droga em público, ele está incentivando outras pessoas a usarem droga. É por isso que responde não só por uso de droga, mas também pela apologia ao crime e aí passa a ser um crime mais grave. E se ele fizer uso de droga ao lado de um menor ele pode responder também por corrupção de menores. Este é nosso entendimento aqui na Delegacia. Ou seja, não afrouxar em relação ao usuário para também não afrouxar em relação ao traficante. Muitos traficantes também foram presos na cidade. Nós atuamos nas duas pontas: no usuário e também no traficante. Essa é a ideia porque, quando a gente diminui o número de usuários, também dificultamos a vida do traficante. Quando a gente tira o traficante das ruas e também tira a droga das ruas, dificultamos a vida do usuário. A ideia é mostrar para as pessoas que não vale a pena usar droga. E principalmente em lugares públicos porque isso é ruim pra cidade, pra imagem que a cidade tem que ter. Porque a rua, eu sempre falo isso, tem que ser das pessoas de bem. A rua tem que ser do trabalhador, da dona de casa, da pessoa que quer andar tranquilamente na rua e não de vagabundo. Se você tiver que ficar escondido dentro de casa para vagabundo tomar conta da rua, isto mostrará que o poder público nem existe na cidade. As pessoas de bem não podem sentir medo de andar nas ruas. Por isso nós criamos esta operação chamada Operação 4:20.

 

Mas recentemente nós temos um trabalho mais especifico aqui na delegacia. Porque estamos recebendo os presos. Pois a Cadeia Pública da cidade está interditada. Esta interdição atrapalha um pouco o nosso trabalho porque a gente tem que deslocar muitas vezes, agentes de policia, homens e mulheres que trabalham no expediente da investigação. Esses policiais precisam trabalhar no plantão, reforçar a vigilância de presos. O ideal é que termine a obra de ampliação da Cadeia Pública o mais rápido possível. Estes presos que estão na Delegacia precisam continuar presos na Cadeia Pública. Assim poderemos dar continuidade aos nos trabalhos e dar os resultados que a população espera da Polícia Civil.

 

Estou muito satisfeito. Orgulhoso. Estou quase um ano aqui na cidade. Falta poucos dias pra fazer meu primeiro ano de planaltina. Muito satisfeito, adorando a cidade. Gostando da população. A relação que a gente construiu com os moradores é muito boa. Acredito sinceramente que teremos um 2015 ainda melhor.

A Polícia Civil mantém um canal extra de comunicação com a população através das redes sociais: através de sua página no Facebook, além dos números 61 3637-1145 e 62 8533-0197.

7 public://field/image/cristiomario.jpg

Image: