Exclusivo: Promotor Rafael Simonetti fala à sociedade de Planaltina-GO

planaltina.net.br - Como o senhor vê Planaltina-GO hoje?

Rafael Simonetti - Então, estou aqui em Planaltina há aproximadamente três anos. Desde que  cheguei na cidade até os dias atuais, percebi que algumas coisas tiveram uma melhora significativa, enquanto outras pioraram. A melhora significativa eu atribuo à consciência do cidadão planaltinense, que está participando mais dos rumos que a cidade esta tomando, ou seja, está havendo uma maior participação popular. Por outro lado, o maior problema que eu vejo no municipio é a questão da falta de interesse dos políticos em resolver os problemas da cidade. Juntamente com a corrupção, que está incrustada na maioria dos municípios brasileiros, a má administração também torna letra morta a previsão do art. 5º da Constituição Federal, que assegura a todos os cidadãos o direito a uma vida digna, com acesso irrestrito à saúde, segurança, lazer, moradia etc. No cenário atual, o que encontramos nas cidades do interior do país são órgãos públicos lotados de servidores comissionados, sem qualquer vínculo com o poder público, sem qualquer preparo ou comprometimento com a coisa pública. Não podemos ter uma visão míope do problema. Sabemos que a carga tributária do país atinge índices elevados (40% do PIB), sendo que não há qualquer contraprestação do poder público. Não temos estradas decentes, faltam escolas de qualidade - o principal problema do país está na educação, ou na falta dela - faltam vagas em hospitais, vagas em presídios, dentre outros problemas crônicos. Por outro lado, sobram servidores comissionados, secretarias, ministérios, cargos, favores, "jeitinhos" etc. Acredito que somente a população pode mudar tal realidade. E isso só virá quando conjugarmos corretamente a expressão CIVILIDADE.

 
planaltina.net.br - Estamos durante a campanha eleitoral. A cidade nunca conseguiu eleger um deputado federal, nem deputado estadual e, sempre foi um local que os aproveitadores vieram buscar votos. As pessoas sempre votam nas pessoas de fora. Não se preocupam com um bem comum. Aqui os políticos não se unem num objetivo comum. Que conselho o Senhor dá hoje a esses eleitores?

Rafael Simonetti - O cidadão tem em suas mãos o instrumento mais poderoso da democracia que é o voto. No entanto, por vivermos em uma democracia recente - aproximadamente 26 anos -, a sociedade ainda precisa se conscientizar de alguns instrumentos que vigoram em uma sociedade dita democrática, como o voto, o referendo popular, o plebiscito etc. Já passamos por 8 (oito) Constituições Federais, sendo a última datada de 05 de outubro de 1988. Considerado um dos maiores presidentes que os Estados Unidos já tiveram em sua história, Abraham Lincoln definiu como poucos o conceito de democracia: "A democracia é o governo do povo, pelo povo e para o povo". O brasileiro precisa entender o conceito e valorizar o seu voto. Analise bem a proposta dos candidatos. Não acreditem em "almoço grátis", até porque ele não existe. Cidadão, analise o vínculo do candidato com o Município e veja o que o candidato pode trazer de benefício para a cidade. Não sejamos inocentes, pois o preço é caro e somos nós e nossos filhos que arcarão com esse imensurável prejuízo pelo prazo mínimo de quatro anos.
 
planaltina.net.br - As pessoas as vezes me perguntam na rua por que a cidade não tem um promotor, um juiz, um delegado residente na cidade. Por exemplo: para lavrar os flagrantes ocorridos nos fins de semana, a Policia Militar precisa ir à Formosa-GO, para lavrá-los. O que o senhor me diz?

Rafael Simonetti - Hoje a questão da segurança impede que o promotor de Justiça e o Juiz de Direito residam na maioria das cidades do entorno do Distrito Federal. Evidente que todos gostariam de morar no Município, pois a distância até o Distrito Federal não é pequena, com risco de acidente na estrada, além de outros problemas existentes. Por isso, existe uma autorização da Instituição para que o membro do MP resida em local diverso da Comarca. Eu já tive problema de segurança - ou a falta de segurança - na cidade de Planaltina e a sensação de vulnerabilidade é enorme, pois não há ninguém para garantir a integridade do promotor ou do juiz que exercem suas funções na Comarca com afinco e com responsabilidade. Ademais, leva-se em consideração que o nosso trabalho incomoda muitas pessoas, disso não há duvida. Eu sou promotor do patrimônio público, do controle externo da atividade policial e do Tribunal do Júri, áreas sensíveis e que merecem todo tipo de cautela. Mas sou realista quanto a este assunto. Se amanhã precisar residir na cidade, o farei sem qualquer problema, até porque passo 80% do tempo na Comarca.

planaltina.net.br - A questão da segurança. São 260 guardas municipais e nas escolas não tem guardas e os dependentes de drogas entram nas escolas municipais e não tem ninguém para impedir, pode entrar qualquer pessoa, as pessoas usam drogas em frente às escolas e não estão nem aí. Não poderia direcionar esses guardas para esses locais?

Rafael Simonetti - Nós realizamos uma reunião com o prefeito da cidade, Sr. Eles Reis, para tratar deste assunto, ficando acordado que o Poder Executivo realocaria alguns guardas municipais para trabalhar na segurança de escolas consideradas mais problemáticas. Esse problema já havia sido comunicado ao Ministério Público por alguns educadores da rede municipal de ensino. O MP está acompanhando o problema da segurança nas escolas e pretende ouvir os diretores dos estabelecimentos de ensino para saber acerca da atual realidade do problema.

planaltina.net.br - A questão das drogas, pode se usar drogas em público, usar maconha na rua?

Rafael Simonetti - O consumo de droga no Brasil continua proibido. Houve apenas a despenalização do ato de consumir droga e não a sua descriminalização. A partir de 2003, houve a substituição da pena privativa de liberdade pela pena alternativa. Usar droga é crime, ainda mais em via pública. Aliás, nos dias atuais um dos maiores problemas que afligem a sociedade moderna é justamente a questão das drogas. O Estado está perdendo essa guerra. As famílias estão perdendo essa batalha incansável contra as drogas. Sabemos de incontáveis casos em que famílias inteiras são destruídas por causa do vício das drogas de um de seus integrantes. A melhor forma de minimizar o problema é investir pesado na prevenção, orientando os nossos jovens acerca dos riscos do consumo da droga. Não menos importante é a repressão ao crime de tráfico de drogas, com a consequente implicação de penas pesadas para traficantes que lucram com a desgraça alheia. Não podemos aceitar que um traficante condenado tenha a sua pena privativa de liberdade convertida em outra espécie de pena, autorizando que ele cumpra sua pena longe da prisão, e pior, convivendo próximo das famílias que ele ajudou a destruir. Temos que tratar o problema com a seriedade que o tema requer, e não brincar "de faz de conta".

planaltina.net.br - Planaltina Goiás hoje tem um dos maiores índices de prostituição, consumo de drogas, AIDS, violência. Não se tem nada para combater isso, o estado está ausente mas a sociedade pode fazer algo. O que se pode fazer?

Rafael Simonetti - O trabalho é de conscientização. A base da sociedade é a família. É na família que surgem os valores - éticos e morais - do cidadão. O Estado não consegue assumir para si todas as responsabilidades. Cada um deve fazer a sua parte, na medida de sua responsabilidade. Enfim, o trinômio deve funcionar de forma harmônica: Estado, família e sociedade, cada qual contribuindo para a formação do ser humano enquanto cidadão.

 

planaltina.net.br - Tem muito bares hoje disfarçados de depósito, que vendem bebidas para menores, adolescentes consumindo bebidas, esses jovens estão se destruindo. Como o senhor vê isso hoje?

Rafael Simonetti - Percebo que a falta de lazer para os jovens acarreta sérios problemas de convivência familiar e comunitária. O administrador público deve ter consciência desse problema, incentivando e investindo, por exemplo, na prática de esportes, permitindo que aquele jovem que não tem onde ir após o horário escolar frequente um local apropriado para se distrair e se socializar com as pessoas. Diante da falta de estrutura mínima de centros de lazer na cidade de Planaltina, o jovem vai a procura de locais inapropriados e altamente nocivos para a sua formação.

planaltina.net.br - Qual é a mensagem que o senhor deixa para essa sociedade de Planaltina Goiás hoje?

Rafael Simonetti - Quero aproveitar esta oportunidade que o planaltina.net.br está proporcionando para transmitir a população de Planaltina que tenho orgulho e satisfação de estar trabalhando em prol deste Município que sabe reconhecer o nosso trabalho. A mensagem que  deixo para todos é que devemos valorizar o senso coletivo em detrimento do aspecto individual. A tônica é saber o que eu posso fazer pela minha cidade e não o que a minha cidade pode fazer por mim. Nós temos  uma cidade com uma população extremamente generosa e trabalhadora. Por outro lado, temos uma cidade com uma carência muito grande de serviços públicos e falta de comprometimento da maioria de nossos representantes. Não podemos deixar de ressaltar mais uma vez a importância do voto do eleitor para a cidade. Eleitor, não se iluda, não deixe ser enganado por pseudo candidatos que aparecem aqui de quatro em quatro anos para apropriar-se do seu voto. Como promotor de Justiça e como cidadão, sinto-me na obrigação de fazer este alerta para todos que aqui residem. No mais, contem sempre com o trabalho do Ministério Público. É dever do MP lutar por uma sociedade mais justa e igualitária e defender o regime democrático. É para isso que trabalhamos!!!

Image: